A Gerente Técnica do Centro de Controle de Zoonoses, Úrsula Torres, explica que este ano a Campanha começou mais cedo – desde a semana passada os agentes estão em campo e já conseguiram vacinar mais de 1.300 animais – e que nesse período, técnicos do órgão vão visitar todas as residências de regiões previamente selecionadas, de acordo com a probabilidade de riscos. Os vacinadores vão bater de porta em porta e vacinar todos os cães e gatos existentes nas residências, nos dias úteis.

A prioridade, segundo Úrsula Torres, são as áreas epizoóticas positivas para o vírus rábico, que corresponde aos Bairros de Igapó, Potengi, Salinas, Candelária, Capim Macio e Neópolis. As áreas de difícil acesso e de baixa cobertura vacinal (Alecrim, Lagoa Azul, Pajuçara, Redinha, Nossa Senhora da Apresentação, Quintas, Bom Pastor e Bairro Nordeste) e as áreas de limite do município e com proximidade de mata (Cidade Nova, Tirol, Nova Descoberta, Planalto, Ponta Negra, Parque dos Coqueiros, Redinha e África), também terão uma atenção especial nesse primeiro momento da campanha. Nestes bairros, o trabalho será casa a casa. As demais áreas da cidade, serão atendidas através de postos fixos, volantes e atendimento domiciliar para acumuladores de animais.

Úrsula Torres explica também que os acumuladores e as pessoas que moram em condomínios podem ligar para o CCZ para agendar a visita dos vacinadores. A população pode entrar em contato pelos números 3232-8237 / 3232-9788, ou pelo e-mailcczraivanatal@gmail.com.

O Dia D da Campanha será realizado em 10 de setembro, com 109 postos de vacinação localizados nas quatro regiões administrativas de Natal, distribuídos a cada 400 metros em toda cidade. A Campanha Antirrábica 2016 se estende até o dia 10 de outubro. A sede do Centro de Controle de Zoonoses, localizada na Avenida das Fronteiras, 1526, no Conjunto Santa Catarina, é um posto fixo de vacinação durante o ano inteiro e funciona diariamente, sendo de segunda a sexta-feira, das 7h às 12h e de 14h às 17h.

A raiva é uma doença que compromete o sistema nervoso do homem, sendo incurável e com índice de letalidade próximo a 100%. É uma zoonose viral e todos os mamíferos estão suscetíveis ao vírus da raiva, podendo transmiti-la. Cães, gatos e morcegos são os principais transmissores. A vacina é a única maneira de controlar a doença.

Caso uma pessoa seja mordida por um desses animais, deve lavar o local machucado imediatamente, com água e sabão. Ao mesmo tempo, deve-se procurar a unidade de saúde mais próxima, onde receberá os primeiros cuidados e será encaminhada o Hospital Giselda Trigueiro. Se possível, isolar o animal por 10 dias, para ver o grau de manifestação da doença, e informar se tem dono e o endereço onde habita.

A raiva está controlada e sem apresentar registro de casos em humanos há mais de 30 anos em Natal, mas ainda oferece risco à população, pois a cidade conta com um número alto de morcegos, cachorros e gatos, principais transmissores do vírus, por isso a importância da campanha de vacinação.

Extraído do Novo Jornal.