“Uma retroescavadeira chegou a ser usada para formar um lago na área que a baleia se encontrava, pois o encalhe aconteceu no pico de maré baixa”, conta Heldene Santos, Presidente da Amjus. Com a chegada da equipe de resgate do Projeto Cetáceos da Costa Branca, da UERN, foi organizado um mutirão com barcos do litoral para rebocar a baleia para o mar, mas após duas tentativas, o animal voltou para a orla e encalhou novamente.

Com a maré alta, o acesso ao animal ficou prejudicado, mas a equipe continuou de prontidão até a noite, quando foi constatado o óbito. Agora, segundo Heldene, o procedimento padrão é a “retirada do mar, recorte e retirada de amostras para biópsia” e em seguida ela será enterrada. Pelas redes sociais, voluntários que trabalharam ao longo do dia na operação, lamentaram a morte da baleia.

Extraído d’O Novo Jornal.